........................................................................

Soluções

...............................

S e r v i ç o s

Pessoa Física Pessoa Jurídica
 
Dicas
 
Sete dicas para fazer o seguro do carro
  
Com a onde de violência, fazer um seguro de carro é praticamente obrigatório. No Rio de Janeiro, segundo estatísticas recentes, um carro é roubado ou furtado a cada 15 minutos. Em São Paulo, não é muito diferente — um carro a cada 20 minutos. Sem contar os acidentes de trânsito que, no Brasil, têm uma das médias mais altas do mundo. Levando tudo isso em consideração, o seguro tornou-se uma peça tão obrigatória quanto o próprio motor do carro. Hoje em dia a concorrência entre as seguradoras, os preços estão mais baixos. Mais ainda, serviços que não existiam vêm surgindo na área. Há, por exemplo, apólices feitas sob medida para cada perfil de cliente. Veja a seguir sete coisas que os maus corretores omitem dos clientes. É a única maneira de ter certeza de que, em caso de acidente, o carro pode até ficar amassado, mas você e seu bolso não saem machucados.

1 – Barganhe a comissão do corretor

A comissão de um corretor de seguro de automóveis gira entre 10% e 20%. Isso lhe deixa uma bela margem para negociar. Seu poder de barganha aumenta se, por exemplo, você for um motorista prudente, fizer seguro de todos os automóveis da família, indicar os serviços do corretor a outras pessoas e por aí afora. Quem dirige com atenção tem desconto. Mulheres, por serem mais cuidadosas, pagam menos do que os homens. Antes de bater o martelo, peça pelo menos três orçamentos — por escrito — e exija que o desconto e a forma de pagamento sejam incluídos na apólice. Mas atenção: a opção mais barata, embora possa parecer, nem sempre é a melhor. O mais importante é verificar quais as coberturas e os tipos de serviço que cada uma das seguradoras oferece.

2 – O seguro inclui...

Não raro, você pensa que está comprando apenas um seguro para o carro, mas está levando junto, sem saber, seguros adicionais contra furto de toca-fitas ou que cobrem despesas médicas em caso de acidentes. Mas, se você já tem um seguro-saúde, para que vai precisar das tais coberturas médicas? Se o toca-fitas está com defeito e o rádio não pega, para que pagar um seguro por essa velharia? Por isso, pergunte até cansar. Destrinche tudo o que está no contrato. Mande tirar o que não interessa. Levando isso em conta, fique esperto e descubra as coberturas que você realmente precisa.

3 – Mais prudência, mais desconto

Até bem pouco tempo atrás, o valor médio do seguro de automóveis era calculado apenas de acordo com o modelo, o ano e a área de circulação do veículo. A novidade é que algumas seguradoras já estão oferecendo um novo tipo de produto: o seguro de acordo com o perfil do segurado. O cálculo é feito em função das características do motorista, da condição do veículo e dos riscos aos quais ele está exposto. Nada mais justo. Afinal, se o seu carro fica o dia todo no estacionamento da empresa, a chance de ele ser roubado é infinitamente menor do que se ficasse na rua. Para descobrir que tipo de motorista é você, as seguradoras criaram um longo questionário.

Nele, você informa todo o seu perfil como motorista. Dependendo das respostas, os descontos podem chegar a até 35%. Importante: nem tente passar a perna na companhia. Se, na hora de acionar o seguro, ela descobrir mentiras no questionário, adeus indenização. E, acredite, as seguradoras descobrem essas coisas. Um exemplo: se você fizer o seguro em nome de sua esposa para garantir um abatimento maior (as mulheres têm mais desconto do que os homens) e a seguradora descobrir que quem usa o carro é você, não adianta espernear. É claro que há um certo grau de tolerância dado pelas seguradoras. Porém, para evitar esse tipo de situação, o ideal comunicar imediatamente qualquer mudança relativa aos itens do questionário.

4- Atenção nos detalhes

Cada vez mais, os seguros estão se diferenciando de seguradora para seguradora (e os preços também). Antes de assinar a apólice, fique atento aos detalhes do contrato. Para não perder dinheiro, o ideal é ler cada uma das cláusulas (inclusive, e principalmente, os itens em letras miúdas) e esclarecer com o corretor todas as dúvidas. Saiba, sobretudo, quais os casos que não prevêem indenização — como carros conduzidos por pessoas não-habilitadas ou que estavam dirigindo sem a carteira de motorista ou documentos do veículo. Sim, é muito chato ler linha por linha contratos de seguro, mas é o seu dinheiro que está em jogo.

5 – Afinal, quanto vale seu carro?

Antes de adquirir um seguro de automóveis, o corretor afirma que o seu carro vale, por exemplo, 10 000 reais. O problema é que muitas vezes ele pode supervalorizá-lo, sem que você se dê conta. Resultado: o preço do seguro sobe. Para evitar que isso ocorra, consulte uma concessionária, um profissional de sua confiança, jornais e revistas especializados no assunto e mostre pelo menos três anúncios ao corretor. Há outro problema: se seu carro vale 10 000 reais hoje, daqui a alguns meses ele valerá menos. O que acontece é que o reembolso do seguro não acompanha essa diminuição. Ou seja, no caso de colisão ou de roubo, a seguradora vai pagar só o valor de mercado do automóvel. Resumo: apesar de você continuar pagando o valor inicial, o carro vale menos e a empresa está gastando menos com você. A saída? Solicite, então, uma reavaliação do valor do carro de tempos em tempos. Desse modo, você pode pedir o ressarcimento da empresa (caso já tenha pago o valor total do seguro) ou a diminuição do valor do prêmio.

6- Contrate um corretor de segurança

Muitas pessoas sem qualquer qualificação, que se aproveitam da boa-fé dos clientes para vender gato por lebre. Pior: na hora do pagamento, alguns deles simplesmente se apoderam do seu dinheiro e não o repassam à seguradora. Só quando precisar do dinheiro do seguro, vai descobrir que não só não tem direito ao reembolso como ainda está devendo. Portanto, se você optar pelo pagamento em cheque, faça-o nominal à seguradora (nunca ao corretor diretamente) e trate de cruzá-lo. Coloque também, no verso, o nome do banco, o número da conta e da agência da empresa. E caso você tenha dúvidas sobre a idoneidade do corretor, entre em contato com a seguradora ou com o órgão regulador do mercado de seguros — a Susep — e verifique se ele está cadastrado.

7- Lembre-se do direito a guincho

Antes de fechar negócio, alguns corretores prometem mundos e fundos, mas na hora H, quando você mais precisa dos seus serviços, pode ficar na mão. Por exemplo, a maioria das companhias também mantém uma assistência técnica 24 horas, que oferece aos segurados auxílio em caso de pane mecânica, como guincho e reboque, entre outros benefícios. O problema que os maus corretores muitas vezes omitem algumas informações que — dependendo da situação — podem fazer toda a diferença. Não faça cerimônia. Pergunte, por exemplo, qual o limite de quilometragem do guincho e do reboque, durante quantos dias você terá direito ao carro extra (no caso do seu estar no conserto), se tem direito a fazer um orçamento fora da rede de oficinas credenciadas, entre outras.
  
 
Nossa filosofia de trabalho é:
Assessorar na escolha da Seguradora, no preparo técnico e montagem das propostas de cada Ramo. Orientar na Gerência de Riscos, ou seja, quais os riscos, e a viabilidade econômica de se fazer o seguro.

saiba mais    


Fale conosco

* Nome:

* E-mail:

* Telefone:

* Mensagem:

.............................................

Rua Gabriel Idálio de Camargo, 68 - Vila Medon - Americana - SP - Fone/Fax: (19) 3462.1700

 

   © copyright - CBI Internet Studios